Carregando

RS – Monopolização da indústria alimentícia impõe preços ao mercado consumidor e à produção rural. Organizações camponesas acusam Estado de favorecer interesses das transnacionais.

UF: RS
Município Atingido: Passo Fundo (RS)
Outros Municípios: Passo Fundo (RS)
População: Agricultores familiares
Atividades Geradoras do Conflito: Atuação de entidades governamentais, Monoculturas
Impactos Socioambientais: Alteração no regime tradicional de uso e ocupação do território, Desmatamento e/ou queimada, Poluição do solo
Danos à Saúde: Insegurança alimentar

Síntese

Na expectativa de uma manifestação que envolvesse diversos movimentos no Brasil, a Jornada de Lutas da Via Campesina e da Assembléia Popular protesta contra o atual modelo agrícola desenvolvido pelo Estado brasileiro, que expropria populações e gera danos à saúde. Neste contexto estão incluídas manifestações contra a construção de barragens, contra as obras de transposição do rio São Francisco, tendo como pano de fundo a crítica ao neoliberalismo.

Contexto Ampliado

No município de Passo Fundo estão localizadas instalações da empresa Bunge. Em junho de 2008, trabalhadores do campo e da cidade, liderados pela Via Campesina, organizaram protestos nos arredores da empresa. A atividade deu início à Jornada Nacional de Lutas Contra o Agronegócio e as Transnacionais no Rio Grande do Sul. Durante a manifestação, a Bunge informou que, por medida de segurança, a produção da unidade de Passo Fundo estaria suspensa, enquanto durasse a manifestação.

Segundo manifestantes, cinco pessoas teriam sido agredidas pela Brigada Militar e sofreram queimaduras com bombas de gás lacrimogêneo, no momento em que iniciavam a distribuição de alimentos agroecológicos à população. A Brigada Militar teria também utilizado balas de borracha para dispersar os manifestantes.

O objetivo da Jornada era denunciar o monopólio de empresas de alimentos, como a Bunge, que, praticando a dominação de mercado e a consequente eliminação de concorrentes, adquire condições para impor preços de alimentos para a população em geral.

Em 2007, segundo nota da Via Campesina, a Bunge foi ?intimada pela justiça a rotular como produto que contém transgênico o seu azeite Soya?, uma vez que tal informação era omitida aos consumidores, nas embalagens e recipientes do produto.<p>Segundo a mesma nota, a Bunge, aliada a empresas como Monsanto, Cargill e Syngenta, desenvolveu ?uma rede de dominação? que alcançaria várias fases do processo agroindustrial e comercial da produção alimentícia: industrialização, distribuição e comercialização.

Não bastasse a subordinação dos consumidores à ampla teia e aos produtos desta cadeia, a rede seguraria o camponês e a maior parte dos produtores rurais, sujeitando-os à compra de sementes e à venda de sua produção ao preço que um verdadeiro cartel define para o mercado.

Deste modo, empresas como a Bunge seriam responsáveis pela chamada ?crise de alimentos, que afeta todo o mundo, mas de forma mais drástica os países pobres?, cuja produção em escala, e baseada no latifúndio, favorece o domínio e a instalação das transnacionais.

De acordo com a Via Campesina, apenas quatro transnacionais ? Cargill, ADM, Bunge e Louis Dreyfus ? seriam responsáveis pela exportação de 60% dos grãos produzidos no país. Além disso, pesquisa do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) mostrou que somente em maio de 2008, o brasileiro teria gasto em média 111 horas e 8 minutos (duas semanas e meia) de trabalho somente para comprar a cesta básica.

A nota da Via Campesina informava ainda que, no Rio Grande do Sul, os manifestantes da Jornada Nacional de Lutas contra o Agronegócio e as Transnacionais acusaram a política do governo Yeda Crusius de beneficiar empresas de celulose, com incentivos fiscais, e o agronegócio, com o não investimento na reforma agrária e a marginalização dos processos produtivos camponeses.

Última atualização em: 25 de janeiro de 2010

Fontes

UOL/Agência Estado – Após ocupação, Bunge suspende produção no RS.http://noticias.uol.com.br/ultnot/agencia/2008/06/10/ult4469u26645.jhtm

Blog Acerto de Contas – Os protestos de hoje sob o ponto de vista dos manifestantes. http://acertodecontas.blog.br/atualidades/os-protestos-de-hoje-sob-o-ponto-de-vista-dos-manifestantes/

Movimento dos Pequenos Agricultores – MPA mobiliza milhares de camponeses:

Agricultores entregam pauta de reivindicação ao governo.

Via Campesina/MST. Polícia reprime manifestação contra as transnacionais no RS (10/06/2008). http://www.mst.org.br/node/5757

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *